Como me sinto com 19 anos?

Image-1 (1)

Sabe quando a gente é criança e conta os dias do ano!  para a chegada do nosso aniversário? Para ganhar milhares de presentes, apagar as velinhas, correr com os amigos nas festinhas, comer muito bolo e salgadinho. Quando eu era bem pequenininha, eu dormia ansiosa para acordar de manhã com muitos beijos da minha mãe. Fui crescendo, e com isso, a ansiedade era para que o relógio marcasse meia noite e eu completasse mais um ano. Quem não sente falta disso tudo? Bem, eu sinto. Eu gosto do dia do meu aniversário, de comemorar com família e amigos, mas agora as coisas são diferentes. Não é como quando eu tinha 8 anos e fazia festa no colégio com os amigos também de fevereiro. Ou como quando você tem 14 e está ansiosa para fazer os 15 anos e entrar no ensino médio. Agora eu tenho 19. Dezenove anos. Ainda sou nova? Claro que sim. Mas apenas um ano me separa da fase adulta, e eu não sei como lidar com isso. É tão bom ser adolescente e ir descobrindo as coisas, sem ter obrigações além de estudar para o colégio. As coisas mudam a cada ano que completamos. Por exemplo, eu agora “tenho” que focar na faculdade mesmo sem a certeza de que o meu curso seja mesmo o que eu quero, e já pensar sobre o mercado de trabalho.

large (1)

É normal ficar confusa, perdida, mas também tem aquela pressão do tipo: “você já tem 19 anos (ainda não estou sabendo lidar), a vida não para até você se achar”. É verdade. A vida anda rápido demais. Parece que até ontem eu tinha 15 anos e estava no demibrasil vendo notícia da Demi Lovato, assistindo as primeiras temporadas de Pretty Little Liars (que são das melhores!) e Glee, e querendo ir para o colégio para encontrar os meus melhores amigos. Muita coisa mudou, mas ao mesmo tempo as coisas continuam iguais. Ainda sou fã da Demi, ainda vejo PLL (por mais que esteja zZzzZ), e tenho os mesmos melhores amigos, mas não vou mais ao colégio. E isso me faz tanta falta. E cada ano que passa, me distancia mais ainda dessa minha antiga realidade.

blahblahblah

Bom, acontece que desde os meus 16 anos eu comecei a desenvolver a Síndrome do Peter Pan. Minhas amigas riam de mim, mas agora elas também estão sentindo os mesmos sintomas que eu senti bem mais nova. Medo de crescer. Vontade de ser “forever young“. Não querer acelerar meu crescimento, sabendo que também não tem como para-lo. As obrigações e responsabilidades sempre me assustaram, e por mim, eu teria 16 anos para sempre. E, no fundo, eu ainda tenho essa vontade.

blahblahblah

Essa minha síndrome sempre vai fazer parte de mim, tenho certeza. Talvez por imaturidade, na concepção de algumas pessoas. Mas eu discordo. Acho que isso vai me manter com um espírito sempre jovem, e isso enche meu coração de alegria. Os anos vão passar, eu vou crescer e amadurecer mais e mais. Eu já vejo uma diferença nisso tudo. Agora, com 19 anos, eu ainda tenho medo, mas não me apavoro, e sou feliz com a certeza de que eu posso sair da adolescência, mas ela não vai sair de mim. Minha alma e meu coração são jovens, e afinal, nossa essência não sai de nós.

ForeverYoung

 

Esse post foi mais filosófico, mas eu precisava desabafar sobre isso. O próximo será sobre a minha festinha de 19 anos, num clima totalmente carnavalesco. Adivinha de que eu fui fantasiada! :x <3 #Mari19

 

08 de fevereiro de 2016
Topo